29 de mai de 2017

Conceição Evaristo: ‘minha escrita é contaminada pela condição de mulher negra’

A escritora Conceição Evaristo é protagonista de uma trajetória ímpar no contexto da história da literatura nacional. Nascida em 1946, em uma favela de Belo Horizonte, em Minas Gerais, cresceu cercada pela oralidade das histórias narradas pelos familiares e, assim que teve acesso aos livros em uma biblioteca pública da cidade, tornou-se leitora voraz. Evaristo se mudou para o Rio de Janeiro ao concluir o curso normal, aos 25 anos. Lá, foi aprovada em um concurso público e começou a dar aulas. Ao mesmo tempo, cursava letras na UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro). É mestre em literatura brasileira pela PUC-RJ (Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro) e doutora em literatura comparada pela UFF (Universidade Federal Fluminense). Começou a publicar em 1990, na série “Cadernos Negros” e é autora de poesia, contos, romances e ficção memorialista. Seu primeiro romance publicado é “Ponciá Vicêncio”, lançado em 2003, que narra a história de uma mulher negra nascida na roça que migra para a cidade buscando uma vida melhor, mas só encontra o vazio e a saudade dos seus. 

O ano de 2017 marca o reconhecimento mais amplo da autora: ela é homenageada por uma exposição no Itaú Cultural, em São Paulo, a “Ocupação Conceição Evaristo”, de 4 de maio a 18 de junho. Também participará, em julho, da Flip, a Festa Literária Internacional de Paraty. 

Além disso, terá alguns de seus livros reeditados: “Becos da Memória” e “Ponciá Vicêncio”, pela editora Pallas, e “Insubmissas Lágrimas de Mulheres”, pela editora Malê. “Estou muito contente com essa visibilidade que estou tendo, muito feliz com a exposição. Mas, de certa forma, estou representando uma exceção como autora negra”, disse a escritora por telefone ao Nexo. “Neste momento de celebração das exceções, a gente não pode esquecer a crueldade da regra. Que regra é essa da sociedade brasileira em que contamos nos dedos as mulheres negras que saem da posição de subalternidade em que somos colocadas?”. Abaixo, Evaristo fala sobre sua obra, os avanços do movimento negro e o lugar da literatura e da autoria negra na preservação da memória negra, da construção de um novo cânone literário e do expurgo de um passado de escravidão. 

Houve um evento determinante que te levou a fazer literatura? 

CONCEIÇÃO EVARISTO - Não houve um evento. Eu sempre gostei muito de ler e sempre tive esse desejo de me aprofundar nos estudos literários. Quando vim para o Rio de Janeiro, em 1973, como professora de primeira a quarta [séries, atualmente do segundo ao quinto ano do ensino fundamental] e decidi fazer uma faculdade, o que estava mais próximo do meu gosto era a literatura. 

Esse gosto pelos livros começou na infância? 

CONCEIÇÃO EVARISTO - Começou. É interessante porque ele começa numa ambiência familiar em que mães, tias e todo o entorno eram pessoas não letradas. Pessoas de uma experiência e de uma cultura muito grandes na área da oralidade, mas que ao mesmo tempo tinham uma sedução muito grande pela leitura. Meu primeiro contato com a literatura se dá através da cultura oral. Toda minha sensibilidade, minha curiosidade para tecer esse escrito, nasce fomentada na linguagem oral. 

O que essa oralidade traz para sua literatura? 

CONCEIÇÃO EVARISTO - Traz uma marca bem peculiar. Quando estou escrevendo, tenho ampla consciência de que estou trabalhando com a arte da palavra. Mas eu quero trabalhá-la de modo que ela me aproxime e traduza essa primeira experiência minha, que foi justamente com a arte da palavra oral. Minha mãe contava muitas histórias, minhas tias também. Eu gosto de introduzir nos meus textos, por exemplo, expressões de origem bantu. 

Minas Gerais é muito marcada por essa cultura. Gosto de introduzir palavras do português arcaico que as pessoas mais velhas ainda usavam. Eu gosto de ler o texto em voz alta para perceber a musicalidade do meu texto, que é muito própria da linguagem oral. 

O que a autoria de uma mulher negra representa para a literatura e a sociedade brasileiras? 

CONCEIÇÃO EVARISTO - É interessante que essa autoria só é nova em termos de recepção. Porque, se a gente for pensar, o primeiro romance brasileiro, “Úrsula”, de Maria Firmina dos Reis, foi escrito por uma mulher negra. Ela estava escrevendo no mesmo momento que José de Alencar e fica esquecida pela história literária brasileira. Os compêndios não citam Maria Firmina dos Reis como a primeira romancista brasileira. Essa autoria vem acontecendo, mas são mulheres que não recebem um tratamento de destaque na história da literatura brasileira. Primeiro porque essa história é marcada pela autoria de homens brancos de classe média. As mulheres começam a aparecer no Modernismo, e a mulher negra muito mais tardiamente. personagens negras femininas criadas a partir da perspectiva da autoria de mulheres negras entram como uma nova voz na literatura brasileira A autoria de mulheres negras na literatura brasileira traz uma vertente com novas histórias, novos enredos, novos personagens, que na verdade borram a literatura. Essa autoria tem um discurso literário que se distancia do que foi escrito até hoje a nosso respeito. Ela parte de dentro de nossas experiências, somos nós dizendo de nós mesmos, nós como sujeitos de autoria, como sujeitos de temática, criando os nossos próprios enredos. Isso é novo na literatura brasileira. Em “Gabriela Cravo e Canela” [de Jorge Amado], [Gabriela] é uma mulher negra ou mestiça e é um texto escrito por um homem branco. Em Aluísio de Azevedo, com Rita Baiana e Bertoleza [personagens de “O Cortiço”], o texto também é escrito por um homem branco. Zulmira Tavares, que é uma autora brasileira contemporânea, no romance “Joias de Família”: temos ali duas personagens negras, mas criadas a partir da perspectiva de uma mulher branca. Essas personagens negras femininas criadas a partir da perspectiva da autoria de mulheres negras entram como uma nova voz na literatura brasileira. 

Que transformação isso provoca? 

CONCEIÇÃO EVARISTO - Hoje tem um público, a começar pelo público negro. Mas há um público também não negro, principalmente acadêmico, de professores, que estão mais propensos a trabalhar e a ler esses textos. Há um público mais sensível que procura justamente essas novas vozes. Daqui uns tempos, isso vai mudar, com certeza, a escrita da história da literatura brasileira. 

Essa busca do público é fruto de uma mudança política? O que aconteceu? 

CONCEIÇÃO EVARISTO - É fruto de uma mudança que começou pelo nosso trabalho. Qualquer conquista dos povos dominados ou subalternizados, mesmo que pareça vir de cima para baixo, não vem. É fruto de longa data, de várias ações. As pessoas têm a ilusão de que a própria lei 10.639, lei do primeiro governo Lula que institui o estudo das culturas africanas e afro-brasileiras no currículo do primeiro e segundo grau [ensino fundamental e médio] e que veio criar uma demanda de mercado dessas vozes negras, caiu do céu, que foi criação do Lula. Mas foi uma demanda antiga: em 1945, Abdias do Nascimento já apresentava essas demandas no Teatro Experimental do Negro. Essas modificações se dão muito lentamente, como fruto de momentos políticos que aderem a essas demandas, as escutam, quando determinados sujeitos da sociedade as incorporam, quando elas encontram nichos como os núcleos de estudos afro-brasileiros nas universidades. Tudo é via organização, e ela se dá primeiramente em nossos núcleos, em movimentos sociais negros, movimentos de mulheres. São pessoas que assumem essa consciência negra e que vão expandindo essas demandas. Tem acadêmicos sensíveis, homens e mulheres, negros e brancos, que começam a proporcionar a expansão desses estudos e pesquisas. 

Qual a sua história com a militância no movimento negro? 

CONCEIÇÃO EVARISTO - A minha história com o movimento social começa na minha juventude, com um movimento de igreja: participei da Juventude Operária Católica, ainda em Belo Horizonte, em meados dos anos 1960. Mas era uma militância católica em que se discutia a questão das classes sociais, mais nada. Não entrava a questão étnica. Mas eu digo que a minha primeira lição de negritude foi dada por um tio meu, Oswaldo Catarino Evaristo, que tinha sido ex-expedicionário [na Segunda Guerra Mundial]. A gente em casa sempre teve uma consciência de que éramos pobres, negros e favelados. Mas era uma consciência muito mais dolorosa do que afirmativa. Esse meu tio, não. Ele já tinha essa consciência afirmativa. Quando vim para o Rio de Janeiro é que conheço o movimento negro, através do IPCN, o Instituto de Pesquisa das Culturas Negras. Passei a frequentar algumas reuniões com meu marido. a gente tem ainda que ficar batendo nessa mesma tecla: querendo assumir nossos nomes, nossa estética negra, usar os cabelos do jeito que a gente quer Depois fui para o Coletivo de Escritores Negros no Rio, onde a gente participava de saraus em associações de moradores, penitenciárias e escolas, já na década de 1980. E estou inserida em movimentos de mulheres negras sempre, mas como militante, não como liderança. Nunca fui filiada a nenhum partido nem tive “carteirinha” dessas organizações, mas falo de movimento negro no sentido amplo, de ser uma voz reivindicativa nos espaços que frequento. 

Como você vê o momento atual vivido pelo movimento negro? 

CONCEIÇÃO EVARISTO - Ao mesmo tempo em que me dá uma satisfação muito grande, eu vejo como ao longo dos anos nós temos de estar repetindo as mesmas coisas. Hoje quando vejo as meninas negras, bastante jovens, lutando para impor a sua estética crespa, lutando ainda para afirmar uma estética negra, meu Deus. Nos anos 1980, a gente estava lutando em prol dos nossos cabelos black power, os homens estavam lutando para se apresentar nos lugares com seus rastafaris. Minha filha é de 1981 e naquele ano houve um movimento muito grande no sentido de refletir sobre como tínhamos perdido nossos nomes de origem africana. Houve todo um movimento para retomar esses nomes: minha filha chama Ainá e várias crianças nascidas naquela época têm nomes como esse. O que eu vejo é que hoje a gente tem ainda que ficar batendo nessa mesma tecla: querendo assumir nossos nomes, nossa estética negra, usar os cabelos do jeito que a gente quer. Mas sem sombra de dúvida, eu acho que houve um caminho percorrido que valeu. Hoje, apesar dos tempos temerosos que nós vivemos, as ações afirmativas se deram a partir de nossas lutas. Acho que compete a vocês que são jovens continuar essa caminhada sem perder essa perspectiva histórica. 

Como você definiria o que é ser uma mulher negra no Brasil de hoje? 

CONCEIÇÃO EVARISTO - Para mim seria: comemorar as conquistas mas ainda não perder a consciência de que, em qualquer situação...ontem mesmo uma moça me perguntou: “como é a sua situação hoje como uma escritora negra reconhecida?”. Eu disse que se eu sair ali na rua, sou uma mulher negra vulnerável como qualquer outra. Nenhuma porta nos é aberta por oferecimento. Todos os lugares em que estamos têm a ver com as nossas demandas Acho que por mais que a gente tenha tido conquistas, nós somos vulneráveis, somos simplesmente mulheres negras que estão vulneráveis a perder seus filhos, vulneráveis nas situações subalternizadas que vivem, criando seus filhos sozinhas, diante do imaginário que a sociedade brasileira tem em relação a elas. Ao mesmo tempo, somos mulheres muito mais fortes, até por esse processo longo de história em que estamos mostrando nossa resiliência. Acho que estamos muito mais preparadas para quebrar com esse estado de coisas. Você participará da edição deste ano da Flip. Em 2016, comemorou-se que era “o ano das mulheres”, mas a curadoria também recebeu críticas sobre a ausência de autores negros. 

Os festivais e o meio literário brasileiro estão ficando mais diversos? 

CONCEIÇÃO EVARISTO - Este ano, sem sombra de dúvida, a Flip vai ser outra história. Muito em função, justamente, de todo o questionamento que houve ano passado. Quem alavancou esse processo foi um manifesto escrito em 2016 pelo grupo Intelectuais Negras, coordenado por Giovana Xavier, da UFRJ. Ela soltou esse texto, que viralizou. O texto foi o mote que toda a imprensa usou para levantar essa questão de não ter escritores negros. Mais uma vez eu falo da força do coletivo. Hoje a Flip vai ter outra feição, uma que a gente acredita ser muito mais democrática, a partir de um questionamento nosso. Nenhuma porta nos é aberta por oferecimento. Todos os lugares em que estamos têm muito a ver com os nossos questionamentos e demandas. Você enfrentou algumas dificuldades para publicar individualmente. Hoje temos os slams, que viralizam na internet, temos saraus de literatura periférica, poetas e escritoras negras que se autopublicam. 

Como você vê esse cenário, tendo em vista a sua trajetória? 

CONCEIÇÃO EVARISTO - Toda essa movimentação da periferia, com os slams, são também ações coletivas. Cada um tem o seu espaço, sua trajetória própria, mas são ações fomentadas e divulgadas pelo coletivo. A gente percebe que, se não houver uma prática coletiva, é muito mais difícil se afirmar individualmente. A prática coletiva tem sido uma espécie de ritual de passagem, em que as pessoas estão inseridas no coletivo mas vão ganhando uma certa experiência e sustentação para fazerem depois suas carreiras individuais. Agora, hoje, sem sombra de dúvida, há outras formas e espaços de publicação que no meu tempo não existiam. Quando eu comecei a publicar, nós tínhamos uma única editora voltada para a autoria negra, a Mazza, que existe até hoje. Depois surgiu a Nandyala, também em Belo Horizonte. Hoje nós temos essas, a Malê, que é bem recente, no Rio de Janeiro, e outras em São Paulo. As publicações de autoria negra, tanto de homens quanto mulheres, ainda estão fora das grandes editoras, que dominam o mercado livreiro. São editoras de médio porte ou editoras que ainda estão brigando por seus espaços. a nossa escrevivência não é para adormecer os da Casa Grande, e sim para incomodá-los em seus sonos injustos O que é interessante é que, como essa geração mais nova tem conseguido se organizar para publicar, mesmo de forma alternativa, você vê que essas publicações acabam tendo visibilidade. Tem muitos pesquisadores, muita gente do “centro”, interessada nessa literatura chamada de marginal, e que já tem acesso a esse material. Vemos essa produção criada na margem contaminando o centro. Não tem mais como, o centro não fica mais imune a essa produção. Se ficar, está perdendo o bonde da história, tendo uma visão mutilada da diversidade da literatura brasileira. Você já foi chamada de ‘canônica das margens’ 

O que isso quer dizer? 

CONCEIÇÃO EVARISTO Essa expressão é de uma pesquisadora da Universidade Federal de Juiz de Fora. Como há muitas pesquisas sobre os meus trabalhos, normalmente os pesquisadores dessa literatura não canônica dizem que eu seria a canônica da margem. E como alguns que também estão produzindo nessa “margem” citam meus textos, já me têm como referência, ela me intitula assim. Acho que é muito mais uma expressão irônica, até para fazer quem define esse cânone pensar: a margem cria os seus modelos, a gente também sobrevive, vive sem estar atrelada a esse modelo que os canônicos querem nos impor. Nós criamos os nossos modelos a partir das nossas experiências. Temos também nossos paradigmas, que não são necessariamente aqueles que querem nos impor. Embora eu também ache que todo paradigma tem que ser pensado como suspeito: não se é obrigado a acompanhar uma norma. Você criou o conceito de ‘escrevivência’, que é algo muito importante no seu fazer literário. O que é a escrevivência? 

CONCEIÇÃO EVARISTO - Quando falei da escrevivência, em momento algum estava pensando em criar um conceito. Eu venho trabalhando com esse termo desde 1995 - na minha dissertação de mestrado, várias vezes fiz um jogo com o vocabulário e as ideias de escrever, viver, se ver. Usei “escrevivência” pela primeira vez em uma mesa de escritoras negras no seminário “Mulher e Literatura”. Terminei meu texto dizendo que a nossa escrevivência não é para adormecer os da Casa Grande, e sim para incomodá-los em seus sonos injustos. Este termo nasce fundamentado no imaginário histórico que eu quero borrar, rasurar. Esse imaginário traz a figura da “mãe preta” contando histórias para adormecer a prole da Casa Grande. E é uma figura que a literatura brasileira, principalmente no período Romântico, destaca muito. Quero rasurar essa imagem da “mãe preta” contando história. A nossa “escrevivência” conta as nossas histórias a partir das nossas perspectivas, é uma escrita que se dá colada à nossa vivência, seja particular ou coletiva, justamente para acordar os da Casa Grande. [A escrevivência] seria escrever a escrita dessa vivência de mulher negra na sociedade brasileira. Eu acho muito difícil a subjetividade de qualquer escritor ou escritora não contaminar a sua escrita. De certa forma, todos fazem uma escrevivência, a partir da escolha temática, do vocabulário que se usa, do enredo a partir de suas vivências e opções. 

A minha escrevivência e a escrevivência de autoria de mulheres negras se dá contaminada pela nossa condição de mulher negra na sociedade brasileira. Toda minha escrita é contaminada por essa condição. É isso que formata e sustenta o que estou chamando de escrevivência. 

Qual o papel da memória na sua obra? Como o texto memorialista de autoria negra é recebido? 

CONCEIÇÃO EVARISTO - Nós temos a memória de uma dor que não foi expurgada ainda. Talvez seja essa a grande dificuldade de as pessoas entenderem quando nós negros falamos do racismo, das ações afirmativas. Há uma tendência de compreender todas essas situações como coisas do passado. Mas na história dos povos colonizados, o passado se faz presente com as suas consequências. Não há como negar isso. Quando o passado de escravidão dos povos africanos no Brasil e nas Américas é escrito a partir dos colonizadores e das culturas hegemônicas, é sempre como um passado de impotência. Mesmo quando a gente conta a dor, não contamos só como lamentação. É mais ou menos por esses termos: passamos por tudo isso, mas estamos aqui. E isso, só nós somos capazes de afirmar porque, para os outros, pouco importa estarmos aqui ou não. Eu acho que o texto memorialístico pode trazer um passado de dor, mas traz também uma situação de resiliência: sobrevivemos, inclusive para contar essa memória. Acho que a dificuldade da academia em lidar com os nossos textos, dizendo que nós só contamos memórias, é porque é uma memória que, justamente, a academia não quer saber. Sonegaram a nossa história, sabemos muito pouco da trajetória dos africanos no Brasil. Sabemos muito pouco dessa trajetória de protagonismo. Nossa história de resistência é muito pouco contada: até os anos 1980, a ciência histórica valorizava a canetada da Princesa Isabel e não a história dos quilombos. E por isso também a academia tem dificuldade de lidar com nossos textos de memória: assim como nega nosso passado de protagonismo, nega nosso direito à memória. Acho que a literatura é um espaço em que a gente pode reivindicar ou afirmar nosso direito à memória.


Link para matéria:

© 2017 | Todos os direitos deste material são reservados ao NEXO JORNAL LTDA., conforme a Lei nº 9.610/98. A sua publicação, redistribuição, transmissão e reescrita sem autorização prévia é proibida.


Fonte: NEXO Jornal
  • Comentar com o Gmail
  • Comentar com o Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Poste seu comentário. Compartilhe suas idéias e opiniões, para que assim, surjam novos questionamentos.

Item Reviewed: Conceição Evaristo: ‘minha escrita é contaminada pela condição de mulher negra’ Rating: 5 Reviewed By: Informação Gerando Conhecimento