7 de out de 2014

Família diz que livro que expõe homossexualidade de Lampião é "mentiroso"

Um livro sobre a vida de Virgulino Ferreira da Silva, o Lampião, está causando tensão entre o autor, Pedro de Morais, e a família do biografado. Intitulado "Lampião, o Mata Sete", a obra afirma em suas linhas que o cangaceiro mantinha relações com homens, que Maria Bonita era adúltera e que Expedita Ferreira Nunes, herdeira direta de Virgulino, não é filha legítima dele. A biografia, que estava proibida de comercialização desde 2011, voltou a circular desde a última terça-feira (29).

Representante de Expedita e da neta dela, Vera Ferreira, o advogado Wilson Wynne Mota garante que as informações do livro são "mentirosas e sem base de estudo ou referências bibliográficas". "Não existe no processo um único documento que prove que dr. Pedro [autor do livro] fez qualquer tipo de estudo, pesquisa ou de onde foi buscar essa informação. Tudo não passa de uma mera mentira. Não há qualquer demérito em ele ser homossexual, mas a discussão é se é verdade ou mentira. E a Vera [neta] tem certeza absoluta de que o fato é mentiroso", disse o advogado ao UOL.

A família de Lampião pretende entrar com recurso no Supremo Tribunal Federal para que a biografia seja proibida novamente. A decisão de liberação para venda foi do desembargador Cezário Siqueira Neto, da 2ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Sergipe. Segundo ele, a determinação garante o direito à liberdade de expressão, com base em recentes julgamentos do STF (Supremo Tribunal Federal).

"Não é demais repetir que se a recorrida, autora da ação, sentiu-se ofendida com o conteúdo do livro, pode-se valer dos meios legais cabíveis. Porém, querer impedir o direito de livre expressão do autor da obra caracterizaria patente medida de censura", explicou Siqueira Neto, lembrando que o personagem principal do livro, Virgulino Ferreira, é uma figura pública.

Reprodução


Capa do livro "Lampião - o Mata Sete", do juiz aposentado Pedro de Morais

Em trecho da apelação levada à Justiça, Pedro de Morais defende a discussão sobre a sexualidade de Lampião. "A comunidade acadêmica pode discutir se Jesus teve ou não uma mulher, mas não pode discutir se Lampião teve ou não um homem", diz o documento.

Segundo o autor, sua pesquisa começou em 1991 e foi nessa época que descobriu particularidades de Lampião, explorando aspectos até mesmo anteriores ao seu nascimento e posteriores à sua morte. Em 2010, o juiz aposentado escreveu seu livro e o publicou um ano depois, vendendo mil cópias durante a Bienal de Salvador.

"A família nunca leu o livro e está desinformada. Tenho 68 referências bibliográficas, tenho indicações de todas as fontes. O escritor Frederico Pernambucano de Mello falou sobre o lado acentuadamente feminino de Lampião. A revista 'Superinteressante' mostrou que há uma tese em desenvolvimento sobre a homossexualidade [do cangaceiro]", disse ele. 

Tudo muito bem arrumado, em 20 de fevereiro de 1931, Maria Deia arrumou seus trapos numa trouxa e deixando para trás tudo o que até então havia feito, indo viver no bando como se mulher fosse de Lampião. (...) O engenhoso Luís Pedro começou a se livrar então da grosseira e imunda relação homossexual escassamente mantida, tendo por lucros na empreita, luxuriosos amores, mantendo seus encontros consentidos pelo galhudo capone, acobertados pela velha e famosa alcoviteira Delfina , proprietária da Fazenda Pedra d?Água, em Canindé, sogra de Rosalvo, conhecido coiteiro, compadre de Zé Sereno.Pedro de Moraes, cita a relação homossexual entre Lampião e seu companheiro Luís Pedro, que foi morar com o cangaceiro na Fazenda Ouro Preto, no município de Tocantinópolis, no Estado de Goiás

Privacidade de Lampião

Pedro de Morais conta ainda que Maria Bonita tinha relacionamentos amorosos com outros homens do cangaço, e o fato foi relatado pelo professor Estácio de Lima, médico legista, em 1947, nove anos após a morte de Lampião. A ideia é rebatida pelo advogado da família. Wilson diz que a filha e a neta do cangaceiro querem privacidade, já que tais "hipóteses mentirosas" não têm a ver com a história nem com o interesse social deixado por Lampião.

"Vamos entrar com recurso no Supremo Tribunal Federal motivados por outras decisões parecidas. Como no caso do jogador Garrincha, cuja biografia dizia que ele não tinha um bom desempenho sexual por beber muito. Sua filha resolveu entrar com um processo, já que isso não era de interesse público. No caso de Roberto Carlos é até mais simples, porque o cantor reclama que não quer a biografia e, ainda assim, conseguiu proibir", avaliou ele, que aprova, por exemplo, uma biografia que fale sobre "Lampião ser um verdadeiro bandido".

O autor do livro ainda defende que Expedita, hoje com 82 anos, não é filha legítima do cangaceiro. "A família não conseguiu nenhuma prova de que ela é filha dele. Na certidão de casamento de Expedita, atualizada em novembro de 2011 após a morte do marido, não consta o nome do pai dela. Ela nunca perseguiu a ação de reconhecimento de paternidade", disse Morais. Segundo ele, não há uma editora que o apoie na publicação do livro e, por isso, não sabe quando a obra estará novamente à venda nas lojas.

Leia trechos do livro "Lampião, O Mata Sete":

Tudo muito bem arrumado, em 20 de fevereiro de 1931, Maria Deia arrumou seus trapos numa trouxa e deixando para trás tudo o que até então havia feito, indo viver no bando como se mulher fosse de Lampião. (...) O engenhoso Luís Pedro começou a se livrar então da grosseira e imunda relação homossexual escassamente mantida, tendo por lucros na empreita, luxuriosos amores, mantendo seus encontros consentidos pelo galhudo capone, acobertados pela velha e famosa alcoviteira Delfina , proprietária da Fazenda Pedra d?Água, em Canindé, sogra de Rosalvo, conhecido coiteiro, compadre de Zé Sereno. Esses alcoviteiros se beneficiavam sobremodo com as gordas propinas pagas pelos encontros aos proveitos dos adúlteros. Delfina servia como alcoviteira em maquinação com seu filho, o fiel coiteiro Leônidas. Se Delfina nunca temeu retaliação por parte do Touro Chifrudo, nome inspirado nas letras dos gibis, folheados pelos vadios nas poucas tardes de descanso, empregado com deboche dirigido ao trato do chefe, à distância de seus ouvidos, a bem dizer. Delfina sabia do consentimento de Lampião aos licenciosos encontros amorosos de Luís Pedro com Sinhá Deia. Todos sabiam o que os dois viviam fazendo. O inesquecível Felino Bomfim Feitosa, escrivão e tabelião do então Distrito Judiciário de Porto da Folha, depois na Comarca de Canindé, muito bem conhecia e sabia contar sobre tudo isso: a cornura e a alcovitice. E mais, muito mais. Nada vergonhoso afinal. O papel de D. Deia era o de servir como companheira de cangaço, nunca o de ser mulher do chefe dos criminosos, por não ter ele como incluir a alcova mateira, para as impossíveis conjugações carnais.Pedro de Moraes, cita a relação homossexual entre Lampião e seu companheiro Luís Pedro, que foi morar com o cangaceiro na Fazenda Ouro Preto, no município de Tocantinópolis, no Estado de Goiás

Lampião foi marcado pelos infernos para não ser perdido de vista. Em fevereiro de 1922, ao tentar assaltar a Fazenda Tabuleiro, de Neco Alves, o grupo no qual se encontrava travou severa luta armada com a tropa do Tenente Galdino. Num momento qualquer, ao correr se esquivando das balas contra ele dirigidas, deixou cair ao chão o seu chapéu todo enfeitado com espelhos, moedas e fitas de tafetá, pentagramas, símbolos de Salomão e dos poderosos. Uma graça de chapéu e enfeites... Ao voltar-se, tentando pegá-lo, sem retaguarda escudeira, sem adargas, foi atingido por três projéteis um dos quais, na cabeça; outro no braço direito, sem maiores gravidades aos dois; o terceiro, porém, atingiu-o em cheio, esfrangalhando a bolsa escrotal, esbagaçando e mutilando os símbolos do machismo, emprestados pela genética na organização antropológica. Ferido, sucumbindo ao chão da estrada, se arrastando sobre um rastro de sangue, deixando restos da massa testicular, dizimando os últimos vestígios da masculinidade, a marca de macho, danificando a máquina da virilidade.Pedro de Moraes, Trecho do livro "Lampião, O Mata Sete" em que tenta confirmar a teoria de que Expedita não é filha do cangaceiro

Fonte: Folha de São Paulo
Thays Almendra com colaboração de Tiago Dias
  • Comentar com o Gmail
  • Comentar com o Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Poste seu comentário. Compartilhe suas idéias e opiniões, para que assim, surjam novos questionamentos.

Item Reviewed: Família diz que livro que expõe homossexualidade de Lampião é "mentiroso" Rating: 5 Reviewed By: Informação Gerando Conhecimento