27 de ago de 2014

Machado de Assis e a epilepsia

O “Bruxo do Cosme Velho” tinha um tabu: não admitia de forma alguma falar de suas frequentes crises de epilepsia. Sim, um dos maiores escritores em língua portuguesa, autor do célebre “Dom Casmurro”, fundador da Academia Brasileira de Letras, sim, ele mesmo, Joaquim Maria Machado de Assis, era epilético.

O distúrbio, que causa descargas elétricas anormais nos neurônios e pode provocar convulsões, chega a atingir 2% da população de países em desenvolvimento, segundo a Liga Brasileira de Epilepsia. No entanto, sempre foi tratado com muito preconceito. Povos antigos acreditavam que os epilépticos eram possuídos por maus espíritos e demônios. O próprio nome, epilepsia, vem do grego epilambanein e significa “tomar, capturar, possuir”. Daí se nota o nível do tabu.

Machado nunca foi diagnosticado clinicamente com epilepsia, porém seus biógrafos são unânimes quanto ao fato. Inclusive, o escritor carioca foi até fotografado em uma de suas muitas crises pelo velho Malta, fotógrafo tradicional do Rio antigo.

Machado raramente aludia à epilepsia. Na verdade, evitava até pronunciar a tal palavra. Chegou até a excluir a referência à epilepsia em uma edição de “Memórias Póstumas de Brás Cubas”, ao descrever o padecimento de Virgília diante da morte do amante: “Não digo que se carpisse; não digo que se deixasse rolar pelo chão, epiléptica…”, substituindo por “convulsa”.

Também não comentava com seus amigos mais íntimos. Em uma carta a Mário de Alencar, somente falou por cima, que “o muito trabalhar destes últimos dias tem-me trazido alguns fenômenos nervosos…”. Ocultou, inclusive, da amada e dedicada esposa, Carolina, a quem devotava imensa ternura, não revelando seu problema antes do casamento.

As convulsões faziam com que o escritor, às vezes, mordesse a própria língua, o que provocava feridas. Quando alguém o questionava sobre sua dificuldade em falar – provocada pelas feridas da mordedura -, justificava: “Estas aftas! Estas aftas!”.

A epilepsia de Machado de Assis teve início na infância, quando ele sentia “umas coisas esquisitas”, que não haviam mais se repetido até seu casamento.

Há referências de que Machado de Assis consultou o Dr. Miguel Couto e que tomou brometo. Parece que a droga não foi eficaz e causou alguns efeitos indesejáveis o que, a conselho de um amigo, o teria levado a interromper o tratamento, optando pela homeopatia. O escritor morreu com uma úlcera cancerosa na boca, possivelmente derivada de seus ataques de epilepsia.

Fonte: Unifesp, Consciência, Epilepsia.org
Por Rôney Rodrigues com super.abril
  • Comentar com o Gmail
  • Comentar com o Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Poste seu comentário. Compartilhe suas idéias e opiniões, para que assim, surjam novos questionamentos.

Item Reviewed: Machado de Assis e a epilepsia Rating: 5 Reviewed By: Informação Gerando Conhecimento