Nossa guerra civil: Revolução Constitucionalista de 1932



Seiscentos mortos, milhares de mutilados e três meses de prejuízos à economia de São Paulo. 

Esse foi o saldo da Revolução Constitucionalista de 1932, movimento que entrou para a história como capricho de um povo que queria se separar do Brasil. 

Apoiado em cartas de diplomatas estrangeiros e numa vasta iconografia dos arquivos do jornal O Estado de São Paulo, o livro O Brasil Se Revolta (Terceiro Nome), de José Alfredo Vidigal Pontes, explica os antecedentes, a deflagração e a derrota dos paulistas contra Getúlio Vargas.

Fonte: Guia do Estudante

Comentários