Um bilhão de eleitores. Nenhuma ideia


Neste ano haverá eleições em 44 países emergentes, incluindo gigantes como Brasil, Índia e Indonésia. É ótimo para a democracia. Na maioria, porém, não há esperança de reformas.

O Brasil e outros grandes países emergentes oferecem hoje um cardápio bem variado de motivos para quem quiser reclamar da vida. Há crescimento claudicante, manifestações violentas nas ruas, deficiências na infraestrutura, forte dependência de capital externo. Como se os problemas evidentes não bastassem, grandes investidores e administradores de fortunas mundo afora vêm apontando outra razão para recear colocar dinheiro nesses países: as eleições que vêm por aí.

Os pleitos são motivo de júbilo para as sociedades. Fundamentais para a democracia (embora não suficientes), revelam civilidade, liberdade e participação política. Só que o mercado financeiro não vem apreciando a festa democrática global. Os motivos alegados pelos agentes do mercado frequentemente são tolos, mas os desta safra merecem alguma atenção. No tabuleiro global das eleições, o que se vê hoje é um deserto de esperanças de que os novos governos façam as mudanças necessárias para os países crescerem.

Entenda-se, entre essas necessidades, facilitar os negócios e aumentar as garantias de estabilidade econômica. Elas são especialmente desejáveis num momento em que saem de cena outros fatores que contribuíam com o crescimento dessas nações, como a alta de preços de matérias-primas. “Durante um ano de eleição, é normal que políticos não tomem decisões de ajuste. Desta vez, o resultado também preocupa. Não há expectativa de que surjam condições para as grandes reformas desejáveis”, diz o analista político Christopher Garman, diretor para mercados emergentes da consultoria Eurasia. O Brasil é um exemplo. “O modelo de crescimento se esgotou ou está a caminho de se esgotar. Até agora não se veem, nem no governo nem na oposição, condições e propostas para mudar o quadro”, afirma o consultor Marcelo Suano, do Centro de Estratégia, Inteligência e Relações Internacionais (Ceiri).

Em 2014, esse desânimo aumentou por causa da concentração de eleições. Haverá pleitos em 44 países emergentes, o maior número desde que passou o período de encanto com esses mercados, nos anos 2000. Alguns têm pouca relevância econômica, mas ocupam espaço importante na geopolítica mundial, como Afeganistão, Iraque ou Líbano. Outros têm importância política e econômica, incluindo gigantes populosos como Brasil, Índia eIndonésia. No total, cerca de 1 bilhão de eleitores definirão os governantes que, nos próximos anos, influenciarão a vida de mais de 2 bilhões de pessoas, um terço da população da Terra. Há combinações variadas de eleições para definir governantes nacionais, governantes locais e legisladores. É um ano belíssimo para a democracia. Mas, em nenhum dos países grandes, os investidores e administradores de fortunas veem grande chance de um resultado eleitoral ótimo para reformas, como ocorreu no México em 2012 e 2013.

Em alguns países, como o Brasil, não se detecta entre os favoritos nenhuma vontade de propor as mudanças necessárias. Noutros, como Índia e Turquia, o candidato com mais chances ou a formação mais provável do próximo Parlamento levarão a um governo fragmentado ou questionado, provavelmente fraco demais para levar adiante reformas difíceis.

O receio dos investidores não é um fenômeno abstrato. Ele se manifesta de maneira bem desagradável. Na última semana de janeiro, houve uma retirada recorde de dinheiro dos mercados emergentes, em números absolutos. Desde então, o ritmo da sangria diminuiu um pouco. Em fevereiro, a intenção de reduzir os investimentos nessas nações chegou ao maior nível já detectado pela Pesquisa com Administradores de Fundos (Fund Manager Survey), feita mensalmente desde 2001 pelo banco americano BofA Merrill Lynch. O dinheiro voltou a fluir para os Estados Unidos e para a Europa. Isso significa que os países mais pobres encontrarão dificuldade maior para atrair capital disposto a comprar, construir e financiar, tanto no setor privado como no governo. Para o cidadão, os resultados aparecem em combinações variadas de mais inflação, juros maiores e menos empregos.

O nervosismo do mercado em anos eleitorais é uma certeza. Ele ocorre mesmo quando não há nenhum maluco entre os candidatos com chances reais. O Brasil é um exemplo de país que sofrerá, mesmo que os principais nomes na disputa (Dilma Rousseff, Aécio Neves e Eduardo Campos) sejam moderados. Um estudo feito pela empresa americana Fidelity Investments sugere que, em países emergentes, o mercado acionário costuma cair no período de três a seis meses antes de uma eleição. “O risco e a incerteza política são os maiores fatores para a anormalidade, mais do que um candidato ou partido em particular”, afirma Bob von Rekow­sky, estrategista na Fidelity. Caberá aos candidatos combater essa tendência colocando, sobre a mesa, boas ideias.

Fonte: Época

Comentários