2 de mai de 2014

Para conter onda de assaltos, Rio corta folgas de policiais


Secretaria de Segurança antecipa esquema de policiamento da Copa do Mundo. A partir desta segunda-feira, PMs serão obrigados a trabalhar no dia de folga.

O governador Luiz Fernado Pezão e o secretário José Mariano Beltrame anunciaram reforço no policiamento a partir de segunda-feira (Pâmela Oliveira/Veja.com)

A escalada de roubos no Rio levou a Secretaria de Segurança Pública a cassar folgas dos policiais militares a partir desta segunda-feira. A medida, que seria adotada durante a Copa do Mundo, foi antecipada para tentar conter o aumento dos índices de criminalidade. Segundo dados divulgados nesta sexta-feira pelo Instituto de Segurança Pública (ISP), a incidência de todos os tipos de roubo (residência, coletivos, transeuntes, carros e celulares) aumentou no primeiro trimestre deste ano em relação ao mesmo período do ano passado. O número de pedestres assaltados saltou de 13.822 entre janeiro e março do ano passado para 20.252 nos três primeiros meses deste ano, um crescimento de 46,5%.

O levantamento do ISP aponta para uma tendência de crescimento dos índices de criminalidade. Como mostrou o site de VEJA, em janeiro de 2014 o estado do Rio registrou a maior incidência de roubos dos últimos dez anos. Somados todos os cinco tipos de roubo monitorados pelo ISP, o primeiro mês do ano foi o mais perigoso dos últimos dez anos, com 13.876 registros – 30% a mais do que janeiro de 2007, quando José Mariano Beltrame assumiu a Secretaria de Segurança do governo Sergio Cabral.

A antecipação do reforço do policiamento, que estava prevista para a Copa do Mundo, levará para as ruas 2.000 policiais militares que estariam de folga. Segundo Beltrame, os policiais farão hora extra através do Regime Adicional de Serviço (RAS) compulsório.

“Colocaremos praticamente toda polícia nas ruas. Vamos adiantar o que faríamos durante a Copa do Mundo, dando ostensividade ao policiamento para tentar diminuir essa mancha criminal”, disse Beltrame, no Complexo da Maré, onde participou de reunião com o governador Luiz Fernando Pezão e com representantes da Força de Pacificação, que ocupam o conjunto de favelas desde o dia 4 de abril.

Cortar folgas dos policiais militares aumenta a insatisfação da tropa, já cansada pelo excesso de plantões acumulados desde o início dos protestos no Rio, em junho, e em campanha por melhorias salarias. Policiais civis ameaçam entrar em greve dias antes da Copa do Mundo se o governador não enviar um projeto de incorporação de uma gratificação de 850 reais ao salário. "Se puder eu vou valorizar a segurança pública. Mas não vou tomar nenhuma decisão agora. Acabamos de assumir", disse o governador ao ser questionado pelo site de VEJA se enviaria o projeto à Alerj até o dia 15, como exigem os policiais civis. 

Mortos em confronto – Outro dado divulgado pelo ISP que chama atenção é o aumento de mortes de suspeitos em confrontos com a polícia, os chamados autos de resistência. No primeiro trimestre de 2014 foram 153 mortes, um aumento de 59% em relação ao mesmo período do ano passado. Se considerarmos o dado registrado em março, isoladamente, o aumento constatado pelo ISP foi de 77% - 84 em março 2013 e 149 no mesmo período de 2014.

“Alguns confrontos são inevitáveis quando você entra em áreas historicamente conflagradas pelo crime”, disse Beltrame, tentando explicar o crescimento dos mortos pela polícia.

Sobre o aumento da criminalidade no Estado, Pezão disse que a Guarda Municipal intensificará a atuação no Centro do Rio, permitindo que a PM reforce o policiamento em outras regiões do estado. “Teremos cada vez mais policiais nas ruas e guardas municipais. Essa é uma luta persistente. Nunca nos colocamos como os vencedores desta guerra”, disse o governador, pouco antes de deixar o Complexo da Maré, escoltado por dezenas de soldados do Exército.

Traficante preso - Policiais da Delegacia de Roubos e Furtos de Cargas (DRFC) prenderam, nesta sexta-feira, no Complexo da Maré, Amabílio Gomes Filho, o MB. Segundo a polícia, ele é apontado como o chefe do tráfico de drogas da favela Nova Holanda, que integra o Complexo da Maré. Contra ele foram cumpridos cinco mandados de prisão pelos crimes de homicídio e tráfico de drogas.

Fonte: Veja
Pâmela Oliveira
  • Comentar com o Gmail
  • Comentar com o Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Poste seu comentário. Compartilhe suas idéias e opiniões, para que assim, surjam novos questionamentos.

Item Reviewed: Para conter onda de assaltos, Rio corta folgas de policiais Rating: 5 Reviewed By: Carlos Silva