17 de abr de 2014

Brasil é 11º país mais mortal para jornalistas; maioria cobria corrupção



Jornalistas em homenagem a Santiago Andrade, morto durante cobertura de protestos.

O cinegrafista Santiago Andrade, de 49 anos, registrava um confronto entre policiais e manifestantes em um protesto no Rio de Janeiro em fevereiro deste ano quando foi atingido na cabeça por um explosivo. Ele foi levado para o hospital, mas não resistiu aos ferimentos.

A maioria dos jornalistas mortos trabalhava para veículos impressos (48%) e cobria casos de corrupção (59%). Todos eram homens.A morte de Andrade durante o exercício de sua profissão contribuiu para um triste índice brasileiro: O país é atualmente o 11º país mais perigoso do mundo para se exercer o jornalismo, segundo o "Índice de Impunidade", Clique, publicado anualmente pelo Comitê de Proteção a Jornalistas.

A organização sem fins lucrativos monitora a violência contra esses profissionais por meio de seu ranking anual publicado desde 2008.

Represália

Entre 1994 e 2014, foram contabilizadas 29 mortes de jornalistas brasileiros. Eles morreram por ações de represália a seu trabalho ou em situações de combate ou conflito.

Em outros nove casos, o motivo da morte não pôde ser determinado e, por isso, eles não foram contabilizados no índice.

Em 93% das mortes registradas, os jornalistas foram assassinados.

Autoridades do governo foram consideradas responsáveis pelos disparos de armas de fogo em 56% das mortes. Os tiros partiram de criminosos em 33% dos casos.

A taxa brasileira foi a terceira mais alta da América Latina, onde a Colômbia é líder, com 45 mortes, seguida pelo México, com 30.

Líderes

O Iraque é de longe o país com mais mortes no ranking do comitê, num total de 164. Num distante segundo lugar estão as Filipinas, com 76 mortes. A Síria vem logo atrás, com 63.

"Esse índice mede como os países lidam com a violência contra a imprensa", afirmou o comitê no anúncio dos resultados atualizados de 2014. "No Iraque, uma centena de jornalistas foi morta na última década e ninguém foi punido."

No caso do Brasil, 70% das mortes seguem impunes, enquanto em 19% dos casos os culpados foram punidos parcialmente. O comitê avaliou que somente em 15% das mortes a justiça se fez por completo.

Por enquanto, o caso de Andrade continua em andamento. Fábio Raposo Barbosa e Caio Silva de Souza, acusados pelo Ministério Público de provocar a morte do cinegrafista, estão presos no Complexo Penitenciário de Jericinó, em Bangu, na Zona Oeste do Rio, enquanto aguardam julgamento.

Os dez países mais perigosos para jornalistas

Iraque: 164 mortes
Filipinas: 76 mortes
Síria: 63 mortes
Algéria: 60 mortes
Rússia: 56 mortes
Paquistão: 54 mortes
Somália: 52 mortes
Colômbia: 45 mortes
Índia: 32 mortes
México: 30 mortes

* Entre 1992 e 2014

Fonte: CPJ
Via BBC
  • Comentar com o Gmail
  • Comentar com o Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Poste seu comentário. Compartilhe suas idéias e opiniões, para que assim, surjam novos questionamentos.

Item Reviewed: Brasil é 11º país mais mortal para jornalistas; maioria cobria corrupção Rating: 5 Reviewed By: Carlos Silva