Postagens

“O celular é o novo cigarro: Se fico entediada, dou uma olhada nele”

Há sete anos alguém disse que a socióloga norte-americana Amber Case (Portland, 1987) vinha do futuro para nos contar em que poderíamos nos transformar se nos deixássemos seduzir, sem reservas, pela tecnologia. Foi depois de uma palestra TEDx que Case, também definida como ciberantropóloga, chamou a atenção para como os humanos estavam deixando coisas importantes demais nas mãos da tecnologia.
A capacidade de memorizar, de recordar, de nos comunicarmos, de estabelecer empatia. Na época, o uso do WhatsApp não era tão generalizado, não existia Instagram e tampouco o conceito de branding aplicado aos indivíduos. Hoje, com tudo isso sobre a mesa, ela defende voltar ao básico, aos objetos que duram; buscar espaços de reflexão e a tecnologia tranquila.
Só assim, ao nos lembrarmos de quem somos, poderemos voltar a nos conectar com nós mesmos. “A natureza é a melhor designer, temos de voltar a nos inspirar nela para viver”, disse em sua última visita a Madri para a apresentação da nova edição d…

Fila para cirurgia de redesignação sexual pode passar de dez anos

ONU expressa solidariedade a Taís Araújo e critica ataques racistas ‘abomináveis’

O som da chibata e dos tambores

08 de novembro de 1895 - Físico alemão descobre o raio X

'Não estou triste por morrer, mas por não poder me vingar'

Qual é a natureza desta nossa vida?

Escritor Kazuo Ishiguro ganha Nobel de Literatura

Como Vejo o Mundo – um texto profundamente filosófico de Albert Einstein

‘A menina que roubava livros’: um canto à humanidade